Notícia

Reduzir a exposição ao bisfenol A


Como parte do trabalho de avaliação de risco relacionado ao bisfenol A, a ANSES publicou os primeiros resultados de sua pesquisa sobre o uso e os efeitos à saúde do bisfenol A, suspeito de ser um desregulador endócrino. Um trabalho que destaca efeitos comprovados em animais e suspeitos em humanos, mesmo em baixos níveis de exposição. (Notícias de 29/09/11)

Um primeiro passo na avaliação de risco da ABP

  • O estudo realizado pela ANSES * é extremamente fino e exaustivo.
  • Baseia-se em inúmeros relatórios de especialistas realizados pelas principais autoridades europeias, bem como em um relatório da Inserm **.
  • Seus resultados são um passo em um estudo mais longo dos riscos do bisfenol A.
  • O bisfenol A, ou BPA, é um produto químico, entre outros na composição de materiais em contato com alimentos. Ele é suspeito de ser um desregulador endócrino com conseqüências no sistema reprodutivo, no cérebro e no ecossistema.
  • Os resultados do estudo revelam efeitos comprovados à saúde em animais e suspeitos em humanos.

Proteger as populações mais sensíveis

  • A ANSES já considera possuir evidência científica suficiente.
  • A prevenção da exposição ao bisfenol A nas populações mais sensíveis, como bebês, crianças pequenas, mulheres grávidas ou lactantes, deve ser um objetivo prioritário.
  • Esta prevenção deve passar em particular pela substituição do bisfenol A em materiais em contato com alimentos.
  • Paralelamente, estão sendo realizadas pesquisas para avaliar a segurança e a eficácia dos substitutos do BPA, inclusive em mamadeiras.
  • Os especialistas lembraram que o uso garrafas de vidro eram uma garantia de segurança.

Frédérique Odasso

* ANSES: Agência Nacional de Segurança Sanitária, Alimentação, Trabalho ** Inserm: Instituto Nacional de Saúde e Pesquisa Médica

Nossa seleção de mamadeiras sem BPA.